Parashat Bo

Deus disse a Moshe: “Vá diante de Faraó; pois eu endureci seu coração, e os corações de seus servos, para mostrar-lhes meus sinais, e para contar a seus filhos … o que eu fiz no Egito … e saber que eu sou Deus “. A Torá também nos diz que Moshe e Aharon alertaram o Faraó sobre a próxima praga que viria (gafanhotos) se ele não libertasse o Povo de Israel. Mas de que adiantava alertá-los se Hashem havia endurecido seus corações? Além disso, não foi injusto que Deus os privou de seu livre arbítrio apenas para que contássemos a nossos filhos as grandes obras de Deus e soubéssemos quem Ele é? Da mesma forma, parece que os servos de Faraó ainda retêm seu poder de decisão mesmo depois de seus corações estarem endurecidos, como está escrito: “E os servos de Faraó disseram: Por quanto tempo este (homem) será a causa da ruína? Homens para servir a seu Deus . Você não percebe que o Egito está destruído? ” Embora os Sábios nos ensinem que durante o curso das primeiras 5 pragas Deus não endureceu o coração de Faraó, como está escrito “e Faraó endureceu seu coração (sem a ajuda de Deus)”, e somente após a quinta praga Ele o fez, como o verso diz: “e Deus endureceu seu coração”, mesmo assim devemos entender se Deus tirou totalmente seu livre arbítrio. Os Sábios esclarecem que Deus nunca privou Faraó da possibilidade de arrependimento; Porém, como se comportou indiferentemente durante as primeiras 5 pragas pensando que eram fenômenos naturais, Deus removeu o medo das pragas seguintes, equilibrando seu livre arbítrio, para que pudesse escolher sem a influência do castigo milagroso transmitido pelas pragas. A tolice do Faraó nos deixa uma grande lição de vida, porque muitas vezes nós também ignoramos o princípio Divino de tentar mudar nossos maus hábitos, nosso caráter astuto, e preferimos escolher endurecer nosso coração com desculpas como “Deus me fez assim , não posso mudar “,” os outros são os culpados “, ou com um falso” desculpe, não era minha intenção magoá-lo “, porque segundo o judaísmo, viemos a este mundo para melhorar, fazer o bem e expressar o melhor de nós mesmos, algo impossível de alcançar se não optarmos por trabalhar duro. Às vezes, só temos que “podar algumas ervas daninhas” que atrapalham nosso crescimento, outras vezes, teremos que arrancar as ervas daninhas de nosso caráter. Como disse o rabino Noah Weinberg sobre a memória abençoada, há um dom maior do que o livre arbítrio: estar ciente de que o temos. Vamos aproveitar isso!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *